SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS METALÚRGICAS, MECÂNICAS E DE MATERIAL ELÉTRICO DE GOIÂNIA – SINDMETAL – GO

Menu

Vendas de veículos tomam novo fôlego

Em março, os emplacamentos no Estado cresceram 21% sobre fevereiro e 1,33% sobre igual mês do ano passado

As vendas de automóveis e comerciais leves em Goiás tomaram um novo fôlego no mês de março e cresceram, enquanto no País o resultado foi negativo. Foram emplacadas 9.771 unidades de automóveis e comerciais leves no Estado, alta de 1,33% sobre o mês de março do ano passado e de 21% sobre fevereiro. No País, houve recuo de 5,5% e avanço de 20% respectivamente. No total, foram emplacados 15.178 veículos em Goiás, salto de 2.230 unidades sobre o registrado em fevereiro.

Somados os emplacamentos de caminhões (482) e de ônibus (20), houve queda de 5,82% sobre março de 2012. Entre fevereiro e março, o cenário é oposto, com crescimento de 31,07% no número de emplacamentos de autos, comerciais leves, caminhões e ônibus. Os dados regionais foram divulgados na sexta-feira, pela Federação Nacional de Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave).

As vendas de motos também foram bem menores no comparativo com março do ano passado. Foram comercializadas 4.905 unidades, totalizando em uma queda de 22,94% sobre março de 2012. Já com relação a fevereiro o total de vendas de março é positivo em 8,83%.

O resultado está de acordo com as previsões do setor em Goiás, que, no início do ano, apontava crescimento nas vendas, ainda que modesto, após o início da redução gradativa do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), iniciada em janeiro e que até então tinha prazo para ser retomada integralmente em julho deste ano.

Estimativas

As estimativas do Sindicato dos Concessionários e Distribuidores de Veículos de Goiás apontavam que a redução dos juros e o crédito disponível contrabalanceariam com o fim da desoneração do imposto, ajudando a manter as vendas em níveis de 3% a 4% no ano, com retomada também nas vendas de caminhões, o que se confirma até o momento.

De acordo com o presidente da entidade, José Roberto Ventura, o consumidor está sensível à elevação de preços e poderia deixar de comprar se a recomposição do imposto fosse mantida.

O gerente de vendas de uma concessionária em Goiânia, Luiz Carlos Oliveira, diz que passou a euforia do consumidor, que perdurou até meados do ano passado, com ênfase maior até o mês de novembro. “O mercado atual encontra-se em normalidade, mantendo um resultado ainda positivo, mas bem distante do encontrado no ano passado”, diz.

Mais de 43 mil novos por dia nas ruas

No acumulado do ano, a Federação Nacional de Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) aponta que 43.707 novos carros foram emplacados no Estado, o que totaliza em queda de 5,73% sobre o resultado registrado no primeiro trimestre de 2012 (46.362). Por dia, as ruas e estradas goianas ganharam 485 novos veículos.

O desempenho deve ser reforçado com o anúncio de que o governo vai manter, nos níveis atuais, as alíquotas do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). Os veículos 1.0 estão com IPI fixado em 2% e assim vão ficar até o final do ano. Deveriam passar para 3.5% em junho e chegar aos 7% no mês seguinte. Da mesma forma acontece com os automóveis como motorização entre 1.0 cilindradas a 2.0, que tinham alíquota de 6,5%, e ficarão em 8%. Caminhões, que tinham alíquota normal, de 5%, permanecem a zero permanentemente por se tratar de bens de capital.

Considerando apenas as vendas de autos e comerciais leves, os emplacamentos em Goiás representam 35,2% do total de autos comercializados em toda a região Centro-Oeste, que somou 27,7 mil unidades. Sobre o total acumulado nos três primeiros meses do ano, a participação estadual cai para 34,3% do total de vendas regionais, que somaram 82,6 mil unidades emplacadas.

Em todo o País, foram emplacadas 268.359 unidades de automóveis e comerciais leves em março. Na comparação com o mesmo período de 2012, quando o IPI menor ainda não havia entrado em vigor, as vendas de março foram 5,5% menores. Sobre fevereiro deste ano, houve alta de 20,5% nas vendas brasileiras.

Fonte: O Hoje (GO)

Deixe um comentário