SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS METALÚRGICAS, MECÂNICAS E DE MATERIAL ELÉTRICO DE GOIÂNIA – SINDMETAL – GO

Menu

Retomada econômica no 4º trimestre é dúvida

Atividade melhora em outubro, mas recuperação ainda gera desconfiança entre analistas

São Paulo – A atividade econômica voltou a acelerar em outubro, na esteira de vendas de automóveis mais elevadas e da recuperação da produção industrial no mês. O IBC-BR, estimativa do Produto Interno Bruto (PIB) calculada pelo Banco Central (BC), apontou crescimento de 0,36% ante setembro.

Ainda assim, um quarto trimestre melhor do que foi o decepcionante terceiro (quando a economia cresceu apenas 0,6%) é dúvida entre analistas. “Indicadores preliminares apontam para ligeira queda da atividade econômica em novembro”, afirma em relatório o economista Aurélio Bicalho, do Itaú Unibanco.

Mais uma vez consumidores parecem ter antecipado compras de veículos em outubro, temendo o fim do desconto do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), e o mercado viveu uma ressaca em novembro, com queda de 5,3% na produção e 8,7% nas vendas.

Outro indicador negativo de novembro já conhecido é a confiança do empresário da indústria, que segundo a Fundação Getúlio Vargas (FGV) recuou 0,8%.

O fiel da balança será a atividade em dezembro e a volta dos investimentos, o que ainda é considerado incerto.

Para o economista Rafael Bacciotti, da consultoria Tendências, o investimento só voltará a crescer em 2013. Ele prevê um quarto trimestre pior do que o terceiro, com crescimento de 0,4%.

“O impacto dos incentivos sobre a produção de bens duráveis (como automóveis e eletrodomésticos) foi mais forte no terceiro trimestre. Deve haver alguma melhora no quarto trimestre, mas não vai superar o desempenho do período anterior”, diz.

Com isso, o economista estima crescimento de 0,8% neste ano, ainda abaixo da projeção majoritária do mercado -1,03%, segundo a pesquisa Focus, do BC.

Indicador errou

Na ponta oposta está Marianna Costa, da Link Corretora. Ela prevê um quarto trimestre mais forte (1,2%), com pequena recuperação dos investimentos. Mas afirma que isso não tem a ver com o resultado do IBC-BR.

No mês passado, o índice do BC indicou crescimento de 1,15% no terceiro trimestre, quase o dobro do resultado divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística ( IBGE). A diferença foi o desempenho dos serviços, aquém do esperado.

A discrepância, diz Costa, pode gerar certo ceticismo de analistas para fazer revisões para cima. “A avaliação é que a economia está se recuperando mais lentamente”, diz.

Fonte: O Popular (GO)

Deixe um comentário