SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS METALÚRGICAS, MECÂNICAS E DE MATERIAL ELÉTRICO DE GOIÂNIA – SINDMETAL – GO

Menu

Venda de importados cai 35,2% em 2012

Após vender quase 200 mil veículos em 2011, o número de unidades emplacadas caiu para 129,2 mil em 2012

São Paulo – O número de carros importados vendidos no Brasil teve forte queda de 35,2% no ano passado, segundo dados da Associação Brasileiras das Empresas Importadoras de Veículos Automotores (Abeiva). Após vender quase 200 mil veículos em 2011, o número de unidades emplacadas caiu para 129,2 mil em 2012.

Com isso, a Abeiva respondeu por somente 3,55% de participação nas vendas do mercado brasileiro. Foram comercializadas 3,63 milhões de unidades no ano passado, alta de 6,1% ante 2011 (3,42 milhões).

Considerando somente o segmento de veículos importados, as associadas à Abeiva representaram 16,5% do mercado. Os 83,5% restantes ficaram com os veículos importados por montadoras locais (784,1 mil unidades emplacadas em 2012).

“Experimentamos em 2012 o pior ano da história de 22 anos do segmento oficial de importação de veículos automotores no Brasil”, disse o presidente da associação, Flavio Padovan, em nota.

Ele atribui a forte queda ao decreto 7.567, de setembro de 2011, que aumentou em 30 pontos percentuais a alíquota do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) de carros importados. “Nosso setor sofreu duro impacto”, disse. Para ele, o prejuízo foi consolidado com o novo regime automotivo implantado em outubro desde ano, o Inovar-Auto.

Das 29 empresas associadas à entidade, somente três conseguiram aumentar as vendas. Vinte e três marcas registraram índices negativos e três ainda não iniciaram suas atividades operacionais no país.

Segundo a Abeiva, 26 empresas solicitaram habilitação ao Inovar-Auto e Bentley, BMW, Chery, JAC Motors, Porsche, Rely, SsangYong, Suzuki e Volvo já obtiveram aprovação.

Na avaliação de Padovan, “a situação de nossas associadas BMW, Chery, JAC Motors e Suzuki – esta já em fase de lançamento do veículo nacional – está bem definida” e outras deverão anunciar fábricas em breve, “mas a maioria não terá condições” de fazer investimentos no Brasil.

Para 2013, a estimativa da entidade é de crescimento nas vendas das associadas. A Abeiva projeta que serão comercializadas 150 mil unidades, alta de 16% ante 2012, mas resultado ainda inferior ao desempenho de 2011.

Fonte: O Popular (GO)

Deixe um comentário