SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS METALÚRGICAS, MECÂNICAS E DE MATERIAL ELÉTRICO DE GOIÂNIA – SINDMETAL – GO

Menu

Trabalhador quer se qualificar para crescer

Na rede de alimentação QG Jeitinho Caseiro, que possui 25 lojas em Goiás, Distrito Federal e Tocantins, das 80 contratações feitas em 2013, 80% eram de candidatos com ensino médio completo.

Segundo o diretor de Marketing e Expansão da empresa, Guilherme Carvalho, esta já foi uma exigência da empresa, mas deixou de ser devido à dificuldade de encontrar mão de obra no mercado de trabalho do Estado.

O diretor de Marketing observa que o próprio colaborador tem buscado mais conhecimento para crescer na carreira e exigir melhores cargos e salários. Para a empresa, segundo ele, é muito mais vantajoso.

“O funcionário aprende mais rápido, é mais produtivo e gasta menos tempo em treinamento”, frisa o diretor da empresa.

IDADE

Considerando a idade dos trabalhadores, houve aumento de empregos em todas as faixas etárias. Entre os mais velhos, as oportunidades crescem em maior velocidade. Apesar de ter o menor número de vagas, o grupo de profissionais com 65 anos ou mais teve a maior expansão (13,04%), seguido pelo grupo de 50 a 64 anos (7,88%). As faixas até 29 anos são as que aumentam de forma mais lenta (veja quadro).

Segundo Shirley Adriana, a predisposição das empresas em contratar empregados com maior idade aumentou nos últimos dois anos, em especial, para cargos estratégicos e de maior visibilidade, como gestores, supervisores e gerentes.

A preferência se deve ao fato de que esses profissionais demonstram mais compromisso e dedicação ao trabalho, características muito valorizadas no mundo corporativo atualmente.

MÉDIA SALARIAL

Goiás está entre os dez Estados com a menor média salarial do País – R$ 1.923,47. Só está à frente das unidades federativas do Nordeste (com exceção do Sergipe). Segundo a Superintendência do Trabalho e Emprego em Goiás, como parte dos empregos públicos mais básicos no Estado, em especial das prefeituras, paga apenas um salário mínimo, esses valores puxam a média de remuneração estadual para baixo.

Em 2013, a administração pública goiana foi a principal responsável pela abertura de postos formais de trabalho.

Foram mais de 30,3 mil novas vagas no Estado, crescimento de 9,65% em relação a 2012.

Fonte: O Popular

Deixe um comentário