Tarifa de ônibus é reajustada para R$ 3,70

Entre janeiro de 2014 e o mês passado, o transporte coletivo da região metropolitana de Goiânia teve uma queda de 27,92% em seu número de passageiros. Neste mesmo período, o valor da passagem sofreu dois aumentos: um em abril de 2014 e outro em fevereiro do ano passado. Ontem, foi anunciado mais um reajuste tarifário, que está de acordo com o contrato de concessão firmado em 2008, com previsão de aumento anual. Com o reajuste, de mais de 12%, a tarifa passará a custar R$ 3,70 nas linhas comuns a partir de sábado e R$ 1,85 no Eixo Anhanguera. O aumento acumulado desde 2014 chega a 37,03%, com o preço saltando de R$ 2,70 para R$ 3,70.

Se somados apenas os reajustes conferidos nos períodos, a alta é de 33,65%, mas, como o valor da tarifa acaba sendo arredondado, esse número é modificado. Atualmente, a média mensal de passageiros carregados pelo transporte coletivo da região metropolitana é de 15 milhões de usuários por mês. Este número cai nos períodos de férias. Em janeiro último, por exemplo, foram 13 milhões de usuários por mês. Já em 2011, o número era de 18,5 milhões. A queda na quantidade de usuários é fundamental no cálculo da tarifa: quanto menos pessoas usam o serviço, mais caro ele vai ser.

Melhorias

O presidente da Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC), Murilo Guimarães Ulhôa, defende que há ganho de qualidade no transporte coletivo nos últimos meses, sobretudo com a implantação dos corredores preferenciais de ônibus. Neste semestre deve ser implantado o Corredor T-7, ligando o Terminal Bandeiras à Praça Cívica, e estão previstos outros três corredores novos (Independência, T-9 e 24 de Outubro), além do término de mais dois (85 e T-63).

Ulhôa afirma que as melhorias não servem para justificar o último aumento, feito com base no próprio contrato de concessão. “Seguimos as premissas, chegamos a esse valor e a Câmara Deliberativa de Transportes Coletivos (CDTC) aprovou.” O presidente ainda afirma que os usuários do Eixo Anhanguera também vão obter ganho de qualidade com a inclusão da Metrobus no Consórcio da Rede Metropolitana de Transportes Coletivos (RMTC).

Nos próximos 20 dias o consórcio deve anunciar a reforma e a ampliação do Terminal Vera Cruz, na saída de Trindade. O terminal de Goianira será construído pela Metrobus também neste ano. Além dos corredores, Ulhôa lembra que a Prefeitura realiza a obra do BRT (Bus Rapid Transit, da sigla em inglês), entre as regiões Norte e Sul da capital.

Vice-presidente do Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de Goiânia (SET), Décio Caetano confirma que o reajuste anunciado ontem não virá acompanhado de investimentos no transporte coletivo. “Vai servir para o sistema respirar, as empresas continuam com dificuldade e em crise desde 2013 e agora com agravante, já que não conseguimos crédito nos bancos”, diz.

A posição dele é que a melhoria do transporte só virá se acompanhada de outras discussões mais amplas, como a perda de competitividade com outros meios, como carros e motos, o pagamento das gratuidades pelo poder público e mesmo o fim da tarifa única metropolitana. “Temos de discutir a questão do espraiamento urbano e do custo financeiro que só aumenta, como em relação aos terminais”, diz Caetano.

Fonte: O Popular

Deixe um comentário