Sindicato entrega pauta de reivindicação à CSN

O Sindicato dos Metalúrgicos entregou nesta semana a pauta de reivindicações para a revisão do Acordo Coletivo. De acordo com presidente da entidade, Renato Soares, são 51 reivindicações solicitadas pelos metalúrgicos da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) através de uma pesquisa feita pelo sindicato. A pauta foi entregue ao gerente de Recursos Humanos da CSN, Anderson Castro, que prometeu analisar as solicitações dos trabalhadores para que nova rodada de negociação seja marcada.

Entre as principais reivindicações dos trabalhadores constam na pauta, estão reajuste salarial a partir de 1° maio de 2014, com a variação do INPC no período de maio de 2013 a 30 de abril de 2014. Aumento real de 10% a ser aplicado sobre os salários já reajustados, e a implantação de um piso salarial de R$ 1.5 mil, ficando vedada a contratação de qualquer empregado com salário inferior.

Consta também, ainda segundo Renato Soares, o pedido de criação de um novo Plano de Cargos e Salários, que deverá abranger todos os níveis, com critérios definidos e progressão salarial dentro da função, além da jornada de trabalho referente à hora extra e a diminuição da jornada de trabalho que passaria a ser não superior a 40 horas semanais, para os empregados que atuam em horários administrativos.

“Queremos um aumento real como já conseguimos em todos os anos de negociação”, disse Renato Soares.

Ações pela correção do FGTS

A direção do Sindicato dos Metalúrgicos do Sul Fluminense faz um alerta aos trabalhadores. A entidade continua com as ações pela correção do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço ( FGTS). Segundo a direção do Sindicato, vários trabalhadores estão confusos pelo fato da justiça ter suspendido as ações sobre a correção do FGTS. O objetivo da decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) foi o de evitar “insegurança jurídica”, que poderia ocorrer caso alguns recebessem a correção e outros não.

Segundo a direção do Sindicato, isso não significa que os trabalhadores devem parar de entrar com as ações. O julgamento de tais processos está suspenso até que o Ministério Público Federal (MPF) elabore um parecer definitivo, pelo qual todas essas ações serão julgadas, obtendo assim o mesmo resultado.

Os processos pedindo a correção dos saldos do FGTS começaram em maio de 2013, quando o Supremo Tribunal Federal (STF) concluiu que os precatórios deveriam ser corrigidos por um índice que refletisse melhor a inflação, o que não ocorria com a Taxa Referencial (TR). Por analogia, começaram a pedir que o sistema de correção do FGTS também fosse modificado.

A direção do Sindicato lembra que, muitos trabalhadores já saíram vitoriosos em suas ações, somando quase 25 mil em todo o país. A decisão da Justiça de São Paulo entendeu que o melhor índice para a correção é o INPC, já que orienta os reajustes da massa salarial e de benefícios previdenciários, preservando o valor aquisitivo.

Vale lembrar que, para entrar com a ação, o trabalhador deve comparecer à sede do Sindicato com cópias simples da Carteira de Identidade, CPF, comprovante de residência, Carteira de Trabalho, foto, qualificação civil e contratos de trabalho, além de Cartão do PIS ou PASEP ou página da Carteira Profissional onde o número do PIS está anotado, Extrato do FGTS, fornecido pela Caixa Econômica Federal (CEF), Carta de Concessão do benefício, no caso de aposentados.

Fonte: A Voz da Cidade

Deixe um comentário