Sindicato dos Metalúrgicos convoca assembleia para dia 5

O Sindicato informou que ainda não definiu qual estratégia usará

O Sindicato dos Metalúrgicos do Sul Fluminense distribuiu hoje (29) um boletim em que convoca a categoria para uma assembleia no dia 5 de julho – a próxima quinta-feira. Como o boletim foi distribuído antes de ser conhecido o resultado da reunião da diretoria do Sindicato com a equipe de negociação da CSN, o documento não menciona a possibilidade de a assembleia tratar de greve, mas existe a possibilidade de a representação dos trabalhadores transformar essa assembleia em preparativo de paralisação.

O Sindicato, em nota oficial, informou que não definiu qual estratégia usará após a empresa não apresentar melhoria na proposta e insistir que forem levadas duas propostas para votação.
“Se duas propostas forem levadas a votação, isso pode confundir o trabalhador, já que o SIM será definido pela soma de votos que cada proposta receber. Ou seja, mesmo que nenhum das duas propostas ultrapasse sozinha os votos do NÃO, a mais votada será aprovada. O Sindicato quer evitar que seja aprovada uma coisa que não foi aceita pela maioria dos trabalhadores”, diz a nota.

Em entrevista coletiva dada na terça-feira, o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do Sul Fluminense, Renato Soares, havia afirmado que, caso não houvesse nova negociação, iniciaria na sexta-feira os preparativos da greve.

No boletim, o sindicato convoca os trabalhadores para dar uma demonstração de força: “vamos mostrar que os trabalhadores estão unidos para que a empresa não fique enrolando e postergando a nossa data-base”, afirma o documento.

Na reunião de hoje, não houve avanço nas negociações. A CSN manteve os termos de sua proposta anterior para a renovação do acordo coletivo 2012/2013 em Volta Redonda.  A proposta foi apresentada no dia 15 de junho, formada por duas opções.

Na ocasião, Renato Soares se recusou a levar as duas propostas a votação. Na reunião de hoje, a CSN insistiu na votação das duas propostas já apresentadas e não houve avanços na negociação. A CSN argumentou que sua proposta está alinhada com o difícil momento enfrentado pelo setor siderúrgico, que já acumula uma produção de 535 milhões de toneladas de aço no mundo. Apenas no Brasil já se contabiliza uma produção estocada da ordem de 45 milhões de toneladas de aço.

A CSN também lembrou que sua oferta engloba também reajuste do Auxílio Creche e do Empréstimo Especial. O Auxílio Creche passa dos atuais R$ 385,00 para R$ 404,00 e o Empréstimo Especial dos atuais R$ 2.500,00 para R$ 2.620,00. “A proposta, em qualquer de suas opções, garante a reposição da inflação e oferece aumento real”, disse a empresa em nota.

Em Casa de Pedra, em Minas Gerais, a mesma proposta foi apresentada pela empresa, aceita pelo Sindicato local e apreciada pelos empregados da Mineração, que a aprovaram por 63%. A opção 2 – que não foi apreciada em Volta Redonda – foi a mais votada.

Fonte: Diário do Vale (RJ)

Deixe um comentário