Produtividade beneficiatrabalho mais qualificado

As pessoas mais educadas são mais produtivas e sentem uma melhora no mercado de trabalho

O salário dos trabalhadores com mais anos de estudo tende a acelerar se o Brasil melhorar a produtividade em setores que demandam mais tecnologia e inovação. Isso implica mudar a fórmula atual do crescimento, que tem como base o setor de serviços.

Nos últimos anos, o debate sobre como tornar o País mais produtivo ganhou força diante do cenário de baixo crescimento, inflação elevada e mercado de trabalho no pleno emprego.

As pessoas mais educadas são mais produtivas e sentem uma melhora no mercado de trabalho quando há aumento do Produto Interno Bruto (PIB) com base em tecnologia e inovação. “Se tivéssemos um modelo baseado no crescimento de mais produtividade nos setores mais avançados tecnologicamente, os trabalhadores mais educados seriam beneficiados”, diz o coordenador do Centro de Políticas Públicas do Insper, Naercio Menezes Filho.

Ele também explica que o efeito líquido sobre o salário vai depender da relação entre demanda e oferta. Ou seja, se a oferta de trabalhadores de uma determinada profissão crescer mais rápido do que a demanda do mercado de trabalho, o salário tende a cair.

“O número de matrículas na Engenharia está aumentando porque as pessoas estão vendo que o retorno salarial é mais alto do que em Direito. Se a economia crescer mais com base em novas tecnologias, aumenta a demanda por profissionais de nível superior, especialmente da área de exatas”, afirmou. “Mas se a oferta de engenheiros crescer mais rápido ainda, o salário cai”, explicou. Na avaliação dele, o modelo atual do mercado de trabalho dá sinais de esgotamento.

Fonte: O Popular (GO)

Deixe um comentário