SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS METALÚRGICAS, MECÂNICAS E DE MATERIAL ELÉTRICO DE GOIÂNIA – SINDMETAL – GO

Menu

PIB do Brasil cai 3,8% em 2015 e tem pior resultado em 25 anos

A economia brasileira fechou 2015 em queda de 3,8% em relação ao ano anterior, de acordo com os números divulgados nesta quinta-feira (3) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em valores correntes, o Produto Interno Bruto Brasileiro (PIB) chegou a R$ 5,9 trilhões e o PIB per capita ficou em R$ 28.876 em 2015 – uma diminuição de 4,6% diante de 2014.

A queda é a maior da série histórica atual do IBGE, iniciada em 1996. Considerando a série anterior, é a maior queda desde 1990, quando o recuo foi de 4,3%.

Entre os setores da economia analisados para o cálculo do PIB, apenas a agropecuária cresceu em 2015. A alta foi de 1,8% em relação ao ano anterior. Já a indústria amargou uma queda de 6,2% e os serviços, de 2,7%.

Com esse resultado, a economia do Brasil deve ter o segundo pior desempenho entre os países da América Latina, ficando atrás apenas da Venezuela, cujo PIB deve recuar 10%, segundo previsão do Fundo Monetário Internacional (FMI). Entre os Brics, o Brasil deverá ter a queda mais acentuada.

A queda do PIB também sofreu influência do resultado negativo dos investimentos. A retração na formação bruta de capital fixo, de 14,1%, foi atribuída principalmente à queda da produção interna e da importação de bens de capital.

A previsão do mercado financeiro era de que o PIB encerraria o ano em queda de 3,8%, de acordo com o último boletim Focus que trazia as estimativas para 2015. Já a expectativa do Banco Central era ainda mais pessimista. O Índice de Atividade Econômica (IBC-Br), considerado um indicador que tenta “antecipar” o resultado do PIB, sinalizava que a economia brasileira havia recuado 4,08% no ano passado.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) também estimou que a economia brasileira teria resultado negativo no final do ano passado. Em janeiro de 2016, o órgão previu que o PIB encolheria 3,8% em 2015.

Fonte: G1

Deixe um comentário