SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS METALÚRGICAS, MECÂNICAS E DE MATERIAL ELÉTRICO DE GOIÂNIA – SINDMETAL – GO

Menu

País está sólido contra crise, diz BC

O Banco Central afirmou ontem que, apesar do rebaixamento da nota de crédito do Brasil pela agência Standard & Poor’s, o País “tem respondido e continuará respondendo de forma clássica e robusta aos desafios” no novo quadro internacional. Segundo a instituição, essa resposta combina austeridade na condução da política macroeconômica, flexibilidade cambial e uso de colchões de proteção (como reservas em dólar).

De acordo com o Banco Central, o Brasil encontra-se bem posicionado nesta nova fase de normalização das condições financeiras globais e tem plena capacidade de atravessá-la com segurança.

“O País vem recebendo fluxos de capitais nos últimos meses que refletem em grande parte as políticas em curso. A qualidade das políticas em vigor deve manter o país bem preparado para o novo cenário internacional”, diz o comunicado do BC

MENOS INJEÇÕES

O presidente do BNDES, Luciano Coutinho, afirmou que o mercado financeiro recebeu com “tranquilidade e maturidade” a notícia de rebaixamento. Segundo ele, esse fato já estava no preço dos ativos brasileiros.

Coutinho destacou que a Bolsa de Valores continua firme e que o dólar recuava no início da manhã, quando fez as declarações em audiência no Senado. “Aparentemente, até agora, o impacto de custo de capital não é relevante.”

A injeção de dinheiro nos bancos públicos, como o BNDES, foi apontada pela agência como uma das motivações para o corte na nota. Ontem, Coutinho reafirmou que os aportes ao banco serão menores este ano, “em sintonia com a política fiscal”, de forma a não pressionar as contas públicas.

O presidente do BNDES afirmou também que outras duas agências classificadoras de risco mantiveram sua avaliação sobre o Brasil. “Eu respeito a classificadora que reduziu, mas tenho confiança na firmeza da política fiscal brasileira.”

A ministra Ideli Salvatti (Relações Institucionais) colocou em dúvida a credibilidade da S&P ao afirmar que a agência não conseguiu identificar a crise financeira internacional de 2008. Também defendeu a política econômica do governo. “Os números da economia brasileira são sólidos e contundentes no sentido da qualidade de vida da população.”

Fonte: O Popular

Deixe um comentário