SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS METALÚRGICAS, MECÂNICAS E DE MATERIAL ELÉTRICO DE GOIÂNIA – SINDMETAL – GO

Menu

Onze países pedem provas à Lava Jato para investigar construtoras

A Procuradoria Geral da República já recebeu pedidos de cooperação internacional de 11 países interessados em documentos da Operação Lava Jato.

São pedidos para compartilhamento de provas relacionadas a investigações sobre construtoras que, assim como se envolveram em desvios em obras na Petrobras, podem estar ligadas a irregularidades em obras fora do país.O compartilhamento de provas precisa de aval da Procuradoria Geral da República e servirá para que esses países conduzam investigações próprias e independentes, que podem levar a uma nova frente de investigação internacional de empreiteiras.

Os países que suspeitam da participação de construtoras em crimes envolvendo contratos públicos são Peru, Costa Rica, Dinamarca, Itália, Guatemala, Porto Rico, Suíça, Uruguai, Andorra, Litcheinstein e Panamá.

Há casos como o do Peru, em que a PGR já autorizou o compartilhamento de provas que serão enviadas para subsidiar investigações conduzidas pelas autoridades desses países.

Investigadores dizem que nem sempre a cooperação ocorre de forma rápida. É o caso do Panamá, que pediu provas ao Brasil, mas é considerado pelo MP o país que menos colabora com informações entre os países que têm cooperação internacional com a Procuradoria Geral da República.

Há offshores e contas de investigados na Lava Jato no país. No caso do Panamá, o próximo passo é formalizar em órgãos internacionais essa lentidão do país em colaborar com informações na cooperação internacional.

Ao todo, em quase dois anos de investigação, a Operação Lava Jato fechou acordos com 28 países para troca de documentos e provas. Desses acordos internacionais, 11 países pediram ao Brasil provas para conduzirem investigações para apurar irregularidades cometidas por construtoras já investigadas na Lava Jato.

Fonte: G1

Deixe um comentário