Mobilidade urbana é uma das preocupações

Só a Região Metropolitana de Goiânia precisa concluir R$ 2 bilhões em investimentos prioritários para deixar sua mobilidade urbana mais eficiente. São três obras prioritárias: a construção do VLT ou monotrilho no Eixo Anhanguera, a implantação do Corredor Expresso ou BRT e a adequação de 54 quilômetros de vias urbanas. Só no VLT deve ser quase R$ 1,6 bilhão em investimentos.

O estudo da CNT lembra que os sistemas de mobilidade urbana têm importância fundamental para a economia do País e qualidade de vida das pessoas. A ausência de planejamento adequado e investimento continuado nas redes de transporte das cidades têm se refletido na redução do número de passageiros do transporte público e no aumento dos congestionamentos. De acordo com o estudo, a ineficiência do transporte público conduz à perda de competitividade das cidades na capacidade de atração de investimentos.

DESLOCAMENTO

O diretor executivo da CNT, Bruno Batista, lembra que a cada três anos 10 milhões de novos veículos ganham as ruas e a infraestrutura urbana não acompanha esse ritmo de crescimento. Hoje, o trabalhador brasileiro gasta mais de duas horas no deslocamento diário entre sua casa e o trabalho. Isso significa 12 horas perdidas apenas no trânsito. “Isso gera problemas de saúde e perda de produtividade no trabalho, já que o funcionário chega cansado. Por isso, o transporte coletivo deve ser priorizado.”

O presidente licenciado do Grupo Executivo do VLT, Carlos Maranhão, informou que a obra está em fase preparatória para assinatura da ordem de serviços, com o atendimento das pré-condições do contrato de concessão, vencida pelo consórcio formado pela Odebrecht TransPort e a Rede Metropolitana de Transporte Coletivo (RMTC).

Essas condições são a liberação de áreas que precisam ser desapropriadas ou usadas para realização dos serviços, a obtenção de licenças junto à Prefeitura de Goiânia e a assinatura de contratos de financiamento do poder público e parceiros. De acordo com Maranhão, a estimativa é que as obras, que devem durar 24 meses, comecem em março do próximo ano.

Fonte: O Popular

Deixe um comentário