SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS METALÚRGICAS, MECÂNICAS E DE MATERIAL ELÉTRICO DE GOIÂNIA – SINDMETAL – GO

Menu

Mantega dá luz verde para subir gasolina

A diretoria da Petrobras recebeu ontem o aval do ministro da Fazenda, Guido Mantega, presidente do conselho de administração da empresa, para reajustar os combustíveis.

Ontem, em reunião com os conselheiros, a presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster, fez uma apresentação em que era exibido o porcentual de 8% de alta. Esse valor, porém, segundo pessoa próxima à alta administração da Petrobras, “dificilmente será aplicado”. A expectativa é que a alta seja de 5%.

Após a reunião, a estatal informou ao mercado, por meio de nota, que ainda não havia decisão sobre reajuste. O último reajuste, de 4% na gasolina e 8% no diesel, foi concedido em 29 de novembro de 2013.

Embora importe parte do combustível que vende, a Petrobras não repassa imediatamente ao consumidor a variação externa dos preços devido à restrição do governo, preocupado com risco potencial de impacto na inflação.

Nos últimos quatro anos, porém, as perdas para a Petrobras com tal política são estimadas em R$ 60 bilhões, segundo a corretora Gradual. Indagada sobre o reajuste, após a reunião, em Brasília, Graça Foster disse que “aumento não se divulga, se pratica”.

Com a queda no preço mundial do petróleo, da faixa de US$ 100 para US$ 85 o barril no último mês, a perda diária da Petrobras quase zerou. Até a semana passada, a gasolina estava 1% mais cara no Brasil que no exterior, e o diesel, 4,5% mais barato.

Analistas dizem, porém, que o reajuste é necessário para reduzir as perdas passadas. A defasagem contribuiu para a dívida líquida da Petrobras triplicar, de R$ 71,5 bilhões para R$ 241,3 bilhões desde 2009.

Pauta

A dispensa do presidente da Transpetro, Sérgio Machado, condição imposta pela firma de auditoria PricewaterhouseCoopers (PwC) para avaliar o balanço da Petrobras do terceiro trimestre, não foi debatida na reunião. O assunto havia dominado o encontro do grupo realizado na última sexta-feira. Conselheiros divergiam sobre a forma como ele deveria ser dispensado.

A preocupação da PwC é com as denúncias feitas pelo ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, de que teria recebido R$ 500 mil de Machado, em 2010, para favorecimento em licitações.

Indicado pelo senador Renan Calheiros, Machado acabou pedindo licença de 31 dias, na noite de segunda-feira. Ele nega as denúncias.

No dia 14, o conselho vai avaliar o balanço do terceiro trimestre, que deve ser divulgado no mesmo dia.

Fonte: O Popular

Deixe um comentário