Mais de 900 metalúrgicos da GM aceitam suspensão de contrato

Com a aprovação da suspensão do contrato de trabalho, os funcionários ficam em casa por cinco meses, mas continuam recebendo salário

Mais de 900 metalúrgicos da General Motors (GM) de São José dos Campos (SP) decidiram aceitar o plano de layoff (suspensão do contrato de trabalho) apresentado pela montadora. A decisão foi tomada durante assembleia feita com cerca de 2.500 trabalhadores do primeiro e terceiro turnos, hoje (26), às 5h30. No início da tarde, o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região consultará os trabalhadores do segundo turno, que chegam a 2 mil, de acordo com o sindicato.

Com a aprovação da suspensão do contrato de trabalho, os funcionários ficam em casa por cinco meses, mas continuam recebendo salário. Parte do vencimento (R$ 1.300,00) será paga pelo governo federal e o restante quem arca é a GM. Entretanto, os 930 funcionários que entrarão em layoff serão obrigados a fazer cursos de qualificação promovidos pelo Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

A suspensão coletiva do contrato de trabalho começa em 8 de setembro e termina em 7 de fevereiro. Passado esse período, os trabalhadores participantes terão seis meses de estabilidade e voltarão com direito à Participação nos Lucros e Resultados (PLR) e às conquistas da campanha salarial.

O sindicato informou que é dada como certa a aprovação da proposta também pelos trabalhadores do turno da tarde. A entidade ressalta que é contra o layoff porque o último, que terminou em março de 2013, resultou em 598 demissões. A GM foi procurada pela Agência Brasil, mas disse que só se pronunciará após o término da segunda assembleia de hoje.

Fonte: EXAME

Deixe um comentário