Inflação oficial fica estável em 0,79% em março, diz IBGE

O índice ficou praticamente estável em relação a fevereiro, quando foi registrada uma alta de 0,80%

A inflação oficial usada pelo governo, o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), teve uma variação de 0,79% em março, informou nesta quinta-feira o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). O índice ficou praticamente estável em relação a fevereiro, quando foi registrada uma alta de 0,80%.

Em março de 2010, a inflação havia sido de 0,52%. Nos últimos 12 meses, o IPCA acumula alta de 6,30%, cada vez mais próxima do teto da meta estipulada pelo governo, de 6,50% — o centro da meta é de 4,50%, com tolerância de 2 p.p. (pontos percentuais) para cima ou para baixo.

A inflação acumulada em 2011 é de 2,44%, acima da taxa de 2,06% verificada de janeiro a março de 2010.

Nos 12 meses encerrados em fevereiro, o índice acumulava elevação de 6,01%. O acumulado de 6,30% é o maior desde novembro de 2008 (6,39%).

Os alimentos voltaram a subir com intensidade, registrando alta 0,75%, ante variação positiva de 0,23% em fevereiro. A principal alta veio da batata inglesa que subiu 12,40%. Também subiram os preços do ovo (5,08%), feijão carioca (1,71%), açúcar cristal (1,48%) e leite pasteurizado (0,73%).

Os produtos não alimentícios, apesar de desacelerarem, também tiveram contribuição relevante dentro do IPCA, registrando alta 0,80% em março, ante 0,98% em fevereiro.

As principais influências sobre o indicador no mês passado foram os custos com transportes, com alta de 1,56% em março após elevação de 0,46% no mês anterior.

As passagens aéreas subiram 29,3% em março, após queda de 11,43% em fevereiro. A contribuição individual dentro do IPCA do subgrupo foi de 0,10 p.p..

As tarifas dos ônibus urbanos continuaram pesando e apresentaram um avanço de 0,95% em março após alta de 1,30% no mês anterior. Subiram ainda os preços dos ônibus intermunicipais (1,47%), metrô (3,81%), e trem (3,76%).

Os combustíveis também pressionaram o IPCA. O álcool teve variação positiva de 10,78%, ante elevação de 2,55% no mês anterior. A gasolina que é misturada ao álcool teve alta de 1,97%, ante 0,50% em fevereiro. A principal contribuição individual no indicador foi dos combustíveis, com 0,12 p.p..

O INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), calculado entre as famílias com renda mensal até seis salários mínimos, teve elevação de 0,66% em março, ante 0,54% observados no mês anterior.

Nos 12 meses encerrados em março, o indicador acumula elevação de 6,31%, abaixo dos 6,36% relativos aos 12 meses imediatamente anteriores

Fonte: Folha.com

Deixe um comentário