SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS METALÚRGICAS, MECÂNICAS E DE MATERIAL ELÉTRICO DE GOIÂNIA – SINDMETAL – GO

Menu

Inflação de Goiânia fecha 2012 com alta de 9,63%

O vilão do IPC do ano passado na capital foi a alimentação

Os goianienses tiveram de desembolsar mais dinheiro no ano passado para adquirir produtos essenciais à mesa do brasileiro. O arroz e o feijão preto, por exemplo, subiram 39,13% e 35,8%, respectivamente. Mas o grande vilão do grupo de alimentos, que registrou alta acumulada de 11,66% em 2012, foi a batata inglesa (43,14%). O desempenho influenciou em maior inflação na capital – de 9,63% – frente aos 7,56% averiguados em 2011. Os dados foram apresentados ontem pelo Instituto Mauro Borges de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos da Secretaria de Gestão e Planejamento (IMB/Segplan).

De acordo com a pesquisa, o grupo de despesas pessoais teve maior aumento no ano passado (18,65%), impulsionado pelo cigarro, que subiu 43,14%. Ainda na alimentação, o IMB observou elevações significativas em outros itens, como nos preços do alho (31,26%), cebola (30,77%), feijão carioca (29,19%) e óleo de soja (26,16%). Segundo os dados divulgados, o grupo de educação foi o segundo com maior elevação em 2012 (+14,12%), influenciado por cursos de informática (32,36%) e mensalidades escolares do ensino fundamental (18,57%).

Orçamento

Durante todo o ano de 2012, a dona de casa Waldene Fagundes, de 51 anos, teve de se equilibrar para manter o orçamento de casa em ordem. Para ela, alguns itens tiveram aumentos consideráveis, como o arroz, a carne e as verduras e legumes. “Quando a carne estava muito cara, substituí por frango ou por muçarela e presunto. Eu fazia lasanha, por exemplo, para comer no lugar da carne. A cenoura e a batata também pesaram no bolso e tive de fazer algumas trocas”, ressaltou a dona de casa.

Ainda considerando os gastos do ano passado, Waldene optou pelo etanol, no lugar da gasolina, na hora de abastecer o carro. “Também comprei menos roupas em 2012, porque os preços estavam muito altos”, destacou ela.

Conforme a pesquisa, artigos residenciais tiveram aumento de 11,35% e habitação, 11,03%. Vestuário (9,59%), saúde e cuidados pessoais (5,08%), transportes (3,94%) e comunicação (1,19%) também fecharam 2012 com elevações.

Cesta básica encerra ano 9,44% mais cara

Com o aumento considerável no grupo de alimentos, a cesta básica de Goiânia também ficou bem mais cara: alta de 9,44% em 2012 frente aos 3,73% do ano anterior. A cesta considerada pelo IMB/Segplan, composta por 12 itens, encerrou dezembro ao custo de R$ 231,66. Deste total, nove produtos tiveram aumento e três tiveram queda em 2012, em relação ao ano anterior. A maior alta foi observada no preço do arroz (+38,96%), seguida pelo feijão (+31,37%), óleo (+26,14%), legumes/tubérculos (+24,16%), margarina (+18,53%), café (+16,71%), leite (+15,88%), pão (+8,83%) e farinha/massa (+5,76%).

Os três produtos que registraram queda foram a carne (-1,98%), açúcar (-10,1%) e frutas (-11,33%). Os índices levados em conta na composição da cesta básica se diferenciam das porcentagens dos mesmos produtos citados anteriormente, porque são consideradas (na cesta) marcas e tipos diferentes que a compõem em comparação a produtos comprados fora dela.

Em dezembro, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) em Goiânia, que mede a inflação oficial, foi de 1,12%, taxa acima da apurada em novembro (0,51%) e superior à de dezembro do ano anterior (0,76%). Ain­da em dezembro, os alimentos continuaram pressionando o índice inflacionário, ao registrar alta de 1,27%). O grupo de despesas pessoais, mais uma vez, teve maior aumento (+4,23%), seguido por artigos residenciais (2,03%), transportes (1,2%), habitação (0,8%), vestuário (0,99%) e educação (0,02%). Dois grupos tiveram queda no mês passado: comunicação (-0,57%) e saúde e cuidados pessoais (-0,15%).

Em dezembro, a cesta subiu 1,38%, contra 0,75% em novembro. Em relação a novembro, foram observadas elevações em sete itens, quatro reduções e uma estabilidade de preço (no caso, da carne considerada na cesta). Lideraram as altas o feijão (+8,29%), pão (+2,78%), legumes/tubérculos (+1,28%), farinha/massa (+1,1%), margarina (+0,59%), leite (+0,46%), arroz (+0,37%). As quedas ficaram por conta do café (-1,97%), açúcar (-1,84%) , frutas (-0,84%) e óleo (-0,59%). (M.A.)

Fonte: O Hoje (GO)

Deixe um comentário