Indústria eleva produção

Vendas do setor em Goiás crescem 0,62% em fevereiro ante o mês anterior e 4,96% frente ao período de 2010. Confecção e vestuário puxam incremento

Indicadores das indústrias goianas sinalizam aumento no ritmo de produção. Devido a sazonalidade nos três primeiros meses do ano, é comum o segmento nesse período apresentar baixa em quase todas variáveis medidas pela Federação das Indústrias de Goiás (Fieg). Em fevereiro, as vendas cresceram 0,62% em relação ao mês anterior. Sob o mesmo período de 2010, o avanço foi de 4,96%. O mesmo comportamento foi observado na comparação desse primeiro bimestre aos dois primeiros de 2010: a expansão foi de 6,49%.

O setor que mais contribuiu para o resultado, na checagem mensal, foi o de confecção e vestuário, que incrementou as vendas em 77,29%. Uma das respostas para o alto índice é que esse segmento está retornando de férias coletivas, explica o economista da Fieg, Cláudio Henrique de Oliveira. A indústria extrativa, com aumento de 24,08%, também ajudou na variável. Segundo a Fieg, setores importantes como de produtos químicos e alcooleiro, com retração de 12,65% e 9,37%, respectivamente, influenciaram de maneira desfavorável.

Já o emprego voltou a apresentar resultados positivos em fevereiro. Teve crescimento de 1,15% ante janeiro, quando foi registrado diminuição de 0,90%. Para os próximos meses, mantendo o histórico dessa variável, a Fieg espera a ampliação do contingente da mão de obra, caso não ocorra nenhuma adversidade de ordem econômica. Essa expectativa é baseada na evolução de 4,59% obtida em fevereiro/2010 frente a igual período do ano passado. No bimestre, a expanção foi de 5,45% em relação a janeiro e fevereiro de 2010.

A massa salarial regrediu 0,77% em relação a janeiro. Comportamento era esperado, já que naquele mês houve pagamentos de gratificações e férias, o que não ocorre no período pesquisado. Mas, mesmo com esse resultado negativo, o crescimento dos salários pagos em relação a fevereiro de 2010 teve elevação de 8,66%. A variável das horas trabalhadas no mês pesquisado cresceu 10,24% e, na comparação com fevereiro do ano passado, avançou 6,78%.

A utilização da capacidade instalada, mesmo com o aumento no ritmo da produção, apresentou comportamento adverso, com redução de 1,94% na comparação com janeiro de 2011. Segundo a Fieg, o desempenho é típico para o período, já que nos três primeiros meses de cada ano, devido a característica produtiva local, ocorre um refluxo na economia dado os efeitos sazonais. No entanto, a elevação das horas trabalhadas e incremento da mão de obra apontam que a produção vem sendo retomada de forma gradativa e em ritmo adequado para o período.

Crescimento
Dos setores pesquisado, três se destacaram pelo aumento nas vendas de fevereiro em relação ao mesmo período de 2010: produtos metálicos, com expansão de 96,53%; seguido de móveis e indústrias diversas (13,03%), e metalurgia básica (10,32%). O empresário Amos Blanch, já percebeu que a demanda está aquecida. Ele é proprietário de uma indústria que fabrica peças de alumínio fundido para máquinas e sistemas de irrigação e somente no ano de 2010 teve crescimento de 40% nas suas comercializações.

Embora período seja de pouca demanda, Amos diz que nesse primeiro trimestre houve crescimento de 50% na procura pelos produtos. O número também é para 2011. “O crescimento não é grande para o porte da empresa”, diz. Ele espera contratar entre 10 e 15 colaboradores neste ano.

Fonte: Diário da Manhã

Deixe um comentário