SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS METALÚRGICAS, MECÂNICAS E DE MATERIAL ELÉTRICO DE GOIÂNIA – SINDMETAL – GO

Menu

Inadimplência sobe, mas oferta de crédito para veículos aumenta

Segundo a Anef, novo público garante otimismo das empresas financeiras. Expectativa é de que 2012 encerre com saldo de R$ 206,2 bilhões

A inadimplência nos contratos de financiamento de veículos para pessoas físicas aumentou um ponto percentual em setembro e subiu de 5,9% para 6%, de acordo com dados divulgados nesta sexta-feira (9) pela Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras (Anef). No entanto, segundo a entidade, a tendência é de que a inadimplência caia, assim, os bancos não vão deixar de investir nas carteiras para veículos.

A expectativa da Anef é de que o saldo total para financiamento de veículos de pessoas físicas deve encerrar o ano de 2012 em R$ 206,2 bilhões. Na modalidade Crédito Direto ao Consumidor (CDC), a projeção é de R$ 192,7 bilhões e Leasing, R$ 13,5 bilhões, representando variação total de 2,6% contra dezembro de 2011.

Segundo o presidente da Anef, Décio Carbonari, a explicação para a manutenção do otimismo refere-se ao fato de um novo público estar entrando na Carteira de Financiamento de Veículos. “Em meados de 2011 houve um alerta com relação à inadimplência, o que levou os bancos a ajustarem suas políticas de crédito e brevemente deveremos ver com maior nitidez o impacto dessas medidas”, diz Carbonari em nota.

“A carteira de crédito é formada por clientes incorporados até 40 meses atrás e este público mais selecionado começou a fazer parte há pouco mais de um ano. Com o passar do tempo, estes clientes com renda maior vão aumentar sua participação dentro do montante, enquanto o público anterior que possuía uma renda menor e que realizava seus financiamentos em prazos maiores (até 60 vezes) deixará de participar da carteira”, explica.

A taxa média de juros praticada pelas associadas da Anef no mês de setembro manteve-se estável em 1,28% a.m. (16,49 a.a.) ante 1,30%. A taxa média praticada pelo mercado em setembro passou a ser de 1,59% a.m. (20,90% a.a.) quando em agosto havia sido de 1,57% a.m. (20,52% a.a.).

A soma dos saldos das carteiras de veículos (CDC + Leasing Pessoa Física) que correspondeu a R$ 204,3 bilhões no mês de agosto apresentou baixa de 0,5% em setembro e ficou em R$ 203,5 bilhões. Quando comparado ao mesmo período de 2011, houve alta de 2,5%.

O saldo de crédito para aquisição de veículos por pessoas físicas manteve-se correspondendo a 4,7% do PIB nacional (estimado em R$ 4,3 trilhões), 0,2 p.p menor que em setembro de 2011. O montante corresponde a 9,1% do total do crédito do SFN e representa 28,9% do total do crédito destinado às pessoas físicas no Brasil.

Durante o mês de setembro a liberação de crédito para aquisição de veículos financiados (CDC) foi de R$ 6,4 bilhões, o que representou um decréscimo de 32,8% em 30 dias e um decréscimo de 29,9% no período de 12 meses.

Planos e modalidades

Os planos de financiamentos foram disponibilizados no período com prazo máximo de 60 meses e os planos médios seguem estabilizados em torno de 40 meses, frente os 42 meses no mesmo período de 2011.

As modalidades utilizadas para a venda de veículos fechou o mês de setembro representadas em 51% por financiamentos (CDC), contra 50% no mesmo período de 2011, 39% realizadas com pagamento à vista, 0,1p.p acima que em 2011, 8% em cartas de consórcio, também 0,1 p.p acima, e 2% pelo sistema de leasing que apresentou queda de 0,3 p.p sobre o mês de setembro de 2011.

O Finame representou 73% das vendas de caminhões e ônibus, sendo que em 2011 representava 70%, as vendas à vista passaram de 12% para 13%, a utilização do CDC caiu de 13% para 10% na comercialização de veículos comerciais, a utilização de consórcios seguiu em 2% e o leasing passou de 3% para 2%.

Entre as motocicletas as vendas financiadas com CDC apresentaram queda até o mês de setembro e passaram de 51% em 2011 para 42% neste ano, enquanto isso a utilização de consórcio apresentou grande elevação, passando de 27% para 35% e as vendas à vista subiram de 21% para 23%.

Fonte: G1.com

Deixe um comentário