Etanol puxa preço da gasolina

Após o preço do litro da gasolina em Goiânia recuar em fevereiro de R$ 3,19 para R$ 3,09, os postos de combustíveis voltaram, no início desta semana, a subir o valor para R$ 3,19 na bomba. O etanol não ficou atrás. O litro saiu de R$ 2,09 para R$ 2,29. Dessa vez, a justificativa é a evolução do preço do etanol anidro (componente de 25% da gasolina) e do hidratado (etanol) em função da entressafra das lavouras de cana-de-açúcar.

Ao contrário das demais elevações de preços ocorridas desde setembro do ano passado, quando o Procon – Goiás notificou diversos estabelecimentos a justificarem os motivos das alterações dos valores das bombas, desta vez, o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo de Goiás (Sindiposto) antecipou a ação do órgão. Segunda-feira apresentou, extraoficialmente, diversas notas fiscais de compras datadas desde janeiro deste ano.

A medida visa demonstrar que os postos estão comprando gasolina e etanol cada vez mais caros das distribuidoras de combustíveis. Entretanto, segundo a assessoria de imprensa do Procon, o órgão só vai divulgar os valores apresentados nas notas fiscais após o Sindiposto apresentar a planilha oficial de custo, conforme solicitado pelo órgão. “Eles alegam que os valores estão aumentando gradativamente desde janeiro. Eles queimam gordura até onde conseguem e depois repassam o reajuste acumulado para o consumidor”, afirma o coordenador de fiscalização do Procon-GO, André Abrão.

ENTRESSAFRA

A justificativa para o aumento dos preços dos combustíveis está atrelada a falta de oferta do etanol no mercado, contrastando com a elevação da demanda. Essa equação engatilha a alta de preços, conforme levantamento do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Esalq/USP).

De acordo com o centro de pesquisa, o litro do etanol anidro, componente de 25% da gasolina, vem sofrendo pequenas alterações desde o início do ano. No dia 3 de janeiro, o litro custava R$ 1,44 até atingir, no último dia 14, R$ 1,55.

Já o litro do etanol era comprado nas usinas no dia 10 de janeiro por R$ 1,15 e, conforme último levantamento do centro de pesquisa, atualmente, é vendido a R$ 1,37 – aumento de 19,13%.

Segundo a assessoria do Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e de Lubrificantes (Sindicom), a entidade não comenta sobre elevação de preços, já que a cadeia é livre.

Fonte: O Popular

Deixe um comentário