Emprego na indústria cai pela 14ª vez na comparação anual, diz IBGE

No acumulado dos 11 meses de 2012, o recuo foi de 1,4% frente a igual período do ano anterior

O emprego na indústria teve queda de 1% em novembro na comparação com o mesmo período do ano anterior. Foi o 14º resultado negativo consecutivo nesse tipo de confronto, segundo pesquisa divulgada nesta sexta-feira pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Na comparação com outubro, no entanto, o emprego ficou estável, na série livre de influências sazonais. No acumulado dos 11 meses de 2012, o recuo foi de 1,4% frente a igual período do ano anterior.

Já o número de horas pagas aos trabalhadores da indústria, descontadas as influências sazonais, caiu 0,2% na comparação com outubro, após avançar 1,1% no mês anterior.

Na comparação com novembro de 2011, a redução foi de 0,9% e, no acumulado do ano, ficou em 1,9%.

REGIÕES

Segundo o IBGE, no confronto com novembro de 2011, a redução do contingente de trabalhadores ocorreu em dez dos 14 locais pesquisados.

O principal impacto negativo foi observado na região Nordeste (-4,0%), pressionado pelas taxas negativas em 12 dos 18 setores investigados, especialmente nas indústrias de refino de petróleo e produção de álcool (-21%), indústrias extrativistas (-9,7%) e de vestuário (-6,6%).

Resultados negativos também foram apurados no Rio Grande do Sul (-3,6%), Pernambuco (-6,7%), Rio de Janeiro (-2,7%) e São Paulo (-0,3%). O primeiro foi influenciado pela queda nos setores de calçados e couro (-11,7%), borracha e plástico (-10,4%) e vestuário (-17,6%).

Pernambuco teve perda em alimentos e bebidas (-11,7%). Na indústria fluminense, a pressão ficou por conta de vestuário (-18,0%), papel e gráfica (-11,9%) e minerais não metálicos (-11,5%).

Já São Paulo mostrou recuo nos setores têxtil (-12,6%), meios de transporte (-5,9%), máquinas e aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (-7,2%), produtos de metal (-6,7%) e vestuário (-9,2%), enquanto o Paraná (1,1%) apontou a principal contribuição positiva, com destaque para os setores de alimentos e bebidas (7,1%) e de máquinas e aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (10,6%).

ACUMULADOS

No índice acumulado nos 11 meses de 2012, o emprego industrial registrou taxas negativas em 12 dos 14 locais e em 14 dos 18 setores investigados. São Paulo (-2,8%) apontou o principal impacto negativo, seguido da região Nordeste (-2,6%), Ceará (-2,6%), Bahia (-2,6%) e Rio Grande do Sul (-1,7%).

Paraná (2,4%) e Minas Gerais (0,9%) exerceram as pressões positivas no índice acumulado no ano.

Entre os setores, a principal queda foi observada na indústria de vestuário (-8,9%), seguida por calçados e couro (-6,2%) e o setor de madeira (-8%), enquanto os setores de alimentos e bebidas (3,9%), máquinas e equipamentos (1,2%) e indústrias extrativas (3,9%) responderam pelas principais influências positivas.

Fonte: Folha.com

Deixe um comentário