SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS METALÚRGICAS, MECÂNICAS E DE MATERIAL ELÉTRICO DE GOIÂNIA – SINDMETAL – GO

Menu

Em tempos de crise, como não perder dinheiro?

Em tempos de crise, como a recessão econômica que o Brasil vive atualmente, quem tem alguma reserva financeira fica receoso em gastar e, muitas vezes, pensa em investir o dinheiro, mas não sabe como. Especialistas destacam que não há uma fórmula exata de como proceder nessa situação, mas reforçam que o mais importante é saber por que vai se investir. Para o educador financeiro e presidente da Associação Brasileira de Educação Financeira, Reinaldo Domingos, é preciso traçar uma estratégia para realizar algum investimento. Reinaldo aponta que investir no dólar ou na poupança não são medidas aconselháveis, visto que a moeda norte-americana está em alta e a poupança vem rendendo menos que a inflação. De acordo com o educador financeiro, uma das apostas para quem deseja segurança financeira é investir no mercado de ações, desde que haja o acompanhamento de um especialista e, uma observação importante: “não direcionando todo o dinheiro para um mesmo fim”.

Para o consultor financeiro e de planejamento do Sebrae Goiás, Fernando Aarão Melo, uma operação de investimento segura e rentável é aplicar no Tesouro Direto, que é emprestar dinheiro ao governo através da compra de títulos públicos, devido a alta da Selic. “Você protege o dinheiro do efeito da inflação e ainda recebe juros de 13% ao ano ou mais, dependendo do título e prazo de resgate escolhidos. Se não quer gastar e tem alguma reserva, deve-se aplicar, menos na poupança, pois com inflação projetada para 2015 a 8,2% e podendo ser até mais, pois essa já foi a terceira vez esse ano que o valor previsto pelo Banco Central é aumentado, deixar dinheiro parado na conta é prejuízo certo”, destaca.

O educador financeiro Reinaldo Domingos lembra que ao se fazer uma aplicação, como no mercado de ações, é necessário definir o momento do resgate de cada ativo financeiro escolhido, visto que quanto maior for esse período, normalmente, maior será a rentabilidade e menor a incidência de tributos. “A determinação do período de tempo de cada aplicação é importante no momento da escolha dos ativos financeiros, em conformidade com o cronograma de aplicação dos recursos poupados, para serem investidos no alcance dos objetivos desejados para o negócio”, explica. Apesar de ser o investimento mais indicado para o momento, Reinaldo adverte dos riscos da operação, pois o empreendedor poderá não conseguir o retorno prometido ou mesmo perder uma parcela do montante aplicado. “É importante conhecer muito bem os atributos de cada aplicação, tais como o nível de risco, retorno, o tempo de aplicação, os tributos e outras despesas que serão cobradas, tendo em vista que poderão comprometer a rentabilidade dos investimentos. É bom lembrar sempre que rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura”, aponta.

Fonte: DM

Deixe um comentário