Crédito bancário deve crescer abaixo de 10% em 2015, prevê Banco Central

O volume de crédito ofertado pelos bancos deve subir 9% neste ano e, com isso, desacelerar pelo quinto ano consecutivo, segundo informou nesta terça-feira (23) o chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Tulio Maciel.

Se confirmado, será o menor ritmo de expansão desde o início da série histórica do BC para o indicador, em 2008, e, também, a primeira vez que a expansão será menor do que 10%. O BC não divulga dados, na série histórica, de anos anteriores a 2008.

Em 2008, os empréstimos bancários avançaram 30,7%. Em 2009, com a crise financeira internacional, a taxa de expansão caiu pela metade: 15,1%. Em 2010, 2011 e 2012, respectivamente, o crescimento registrado foi de 20,6%, 18,8% e 16,4%. Em 2013 e no último ano, a taxa de crescimento do crédito dos bancos foi de 14,5% e 11,3%.

De acordo com Tulio Maciel, do Banco Central, o ritmo de crescimento do crédito dos bancos, em 2015, está relacionado com o menor nível de atividade da economia brasileira, e, também, com o processo de alta dos juros básicos para conter a inflação – implementado pela autoridade monetária. Os juros bancários, porém, têm subido bem mais do que a taxa Selic.

Além disso, no prcesso de ajuste fiscal em curso, o governo também dobrou a alíquota do Imposto Sobre Operações Financeiras (IOF) para empréstimos no começo deste ano. De acordo com Túlio Maciel, da autoridade monetária, o comportamento do crédito bancário, em 2015, “faz parte do ajuste macroeconômico em curso”.

Crédito livre X direcionado

De acordo com informações da autoridade monetária, o crédito com recursos livres, ou seja, retirando as operações imobiliárias, do BNDES e rural,  que teve alta de somente 4,7% em todo ano passado, deve avançar 5% neste ano. A previsão anterior, feita em março do ano passado, era de uma alta maior (6%).

No caso do crédito direcionado (BNDES, rural e imobiliário), a previsão do Banco Central é de um crescimento de 14% neste ano – em março a previsão era de uma alta de 16%. Em 2014, o crédito direcionado avançou 19,6%.

Comportamento em maio

Ainda de acordo com a autoridade monetária, o crédito total do sistema financeiro, incluindo as operações com recursos livres e direcionados, atingiu R$ 3,08 trilhões bilhões em maio, com alta de 0,7% no mês e de 10,1% em doze meses.

A carteira de operações com recursos livres (sem contar BNDES, rural e habitacional) totalizou R$ 1,58 trilhão em maio, com aumentos de 0,6% no mês e de 4,7% em doze meses.

“No segmento de empresas, saldo de R$ 794 bilhões (+0,7% no mês), as modalidades com variações mais relevantes foram os adiantamentos sobre contratos de câmbio (ACC) e os repasses externos. O crédito livre das pessoas físicas alcançou R$ 789 bilhões (+0,5% no mês), com destaque para crédito consignado e cartão de crédito à vista”, informou o Banco Central.

O crédito direcionado, por sua vez, atingiu R$ 1,49 trilhão em maio, após expansões de 0,8% no mês e de 16,5% em doze meses. De acordo com Maciel, do Banco Central, tendência de desaceleração no crédito direcionado reflete, neste ano, a redução no volume de empréstimos com recursos do BNDES. Segundo ele, de janeiro a maio, a queda de 25% contra mesmo período de 2014.

Fonte: G1

Deixe um comentário