Consumo sobe e eleva o risco de racionamento

O risco de um racionamento aumentou neste ano diante do aumento no consumo de energia registrado em fevereiro, causado pelo calor intenso, e de uma vazão de chuvas nos rios que alimentam as hidrelétricas muito abaixo da média histórica. Segundo a consultoria PRS, a probabilidade de faltar energia para atender toda a demanda subiu de 18,5% em janeiro para 23,8%. O porcentual é considerado muito elevado por especialistas do setor -o risco normal é 3%.

O próprio Ministério de Minas e Energia passou a considerar como “baixa” a possibilidade de racionamento. Em fevereiro, o risco de um eventual desabastecimento era tido como “baixíssimo”.

A mudança ocorreu no mesmo dia em que o Operador Nacional de Energia Elétrica (ONS) informou que, com o forte calor na maior parte do País, o consumo de energia cresceu 7,8% em fevereiro na comparação com fevereiro de 2013. inda assim, o ministro Edson Lobão ressaltou, em nota, que em março já há uma “condição melhor” diante do aumento das chuvas. “Temos tranquilidade que não faltará energia no país.”

SITUAÇÃO CRÍTICA

Especialistas, porém, não se mostram tão otimistas. Para Ricardo Aquino, da comercializadora Trade Energy, a situação é crítica e há um “risco bastante importante” de desabastecimento, o que já deveria ter levado o governo a lançar uma campanha para poupar energia.

Aquino diz que, de fato, março começou melhor, com uma pequena recuperação do nível dos reservatórios, calor e consumo de energia menores e mais chuvas. Mas a preocupação persiste porque a reserva de água para geração de energia é muito baixa.

Ontem, as barragens das usinas do Sudeste/Centro-Oeste, as mais importantes do País, atingiram 35,69% de sua capacidade. O porcentual de fevereiro ficou em 34,61%, muito próximo a igual mês de 2001, o ano do racionamento de energia.

Já a vazão das chuvas nos rios que enchem os reservatórios passou de 38,22% da média histórica em fevereiro para 77% da média na primeira semana de março.

O ONS crê que, ao longo de março, o volume se manterá nesse nível, o que ajudará a recompor os reservatórios. Hermes Chipp, diretor-geral do ONS, fez coro ao ministro e disse que simulações indicam que o País não corre risco de ficar sem energia.

O diretor disse ainda que 43% seria um nível confortável para as barragens chegarem ao final do período de chuvas mais intensas, em abril. Só após esse período é que será possível avaliar se há necessidade ou não de racionamento, segundo ele.

Já Francisco Navarrete, do Banco Brasil Plural, considera a estimativa otimista e vê um cenário de aumento no risco de faltar energia. Mário Veiga, da PRS, diz que o consumo mais elevado pressionou “o nível de armazenamento dos reservatórios” em fevereiro, mas afirma que “nenhuma decisão sobre racionamento deve ser tomada até o final de abril”. As chuvas de março e abril são decisivas para avaliar o suprimento em 2014, diz.

Fonte: O Popular

Deixe um comentário