Coleta volta a ter problemas

A coleta de lixo em Goiânia voltou a ficar comprometida nesta semana por causa do fim do contrato de locação de 29 caminhões compactadores de lixo da Metropolitana Serviços Ambientais e da crise financeira vivida pela Prefeitura que afetou o serviço de manutenção dos caminhões em uso para a coleta, já que nem sempre havia material para reposição. Na quinta-feira, por exemplo, alguns caminhões não teriam circulado por falta de óleo diesel.

Só no dia em que o contrato encerrou é que a Prefeitura acordou com a HL Locadora a locação de 29 veículos para substituir a frota da Metropolitana. Um dos sócios da HL, Altair Thó, informou que até terça-feira deve completar a frota alugada, que passa dos atuais 20 para 49. Além da HL, a Tecpav também aluga mais 14 caminhões, totalizando 63 veículos alugados pela Companhia Municipal de Urbanização de Goiânia (Comurg).

O presidente do órgão admitiu ontem que existe problema com manutenção dos caminhões na oficina, e que por isso foi feito um acordo com a HL para que ela ajude no serviço para que o caminhão não fique muito tempo na oficina. Diariamente, entre 14 e 18 veículos passam por problemas mecânicos e ficam sem condições de circulação.

De novo, os bairros mais afetados são aqueles onde a coleta é de três vezes por semana. Em alguns, o caminhão não passa há sete dias.

COMPRA

A Prefeitura de Goiânia fechou na quarta-feira contrato para locação durante 36 meses de 20 caminhões compactadores de 15 metros cúbicos e mais 7 de 5 m3 para serem entregues em até 20 dias. Por mês, serão pagos R$ 14 mil pelos veículos maiores e R$ 8 mil pelos menores. Depois do prazo de 3 anos, os caminhões integrarão a frota de veículos da Comurg.

O contrato é com a HL Locadora. Falta apenas a assinatura do presidente da Comurg, o que deve acontecer na segunda-feira. “Vai representar uma economia de até 25% esse contrato. Vamos pagar a locação por 3 anos e depois os caminhões serão da Prefeitura. A durabilidade de um veículo desses é de 5 anos”, comentou Ormando.

A manutenção destes 27 veículos adquiridos na quarta-feira e os motoristas ficarão por conta da Prefeitura. No final do contrato, o Paço terá pago R$ 504 mil pelos veículos maiores e R$ 288 mil pelos menores.

No outro contrato de compra feito pela Prefeitura, com a Suécia Veículos e a Planalto Industria, cada um dos 40 caminhões custará cerca de R$ 240 mil cada, mas pagos à vista.

A proposta de locação com doação foi anunciada pela Prefeitura no final de abril, quando o Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO) deu aval ao Paço para dispensar licitação para a compra dos veículos. Na época, Goiânia vivia uma de suas piores crises no serviço de coleta por causa da paralisação dos serviços pela Metropolitana. A Tecpav, que aluga 14 caminhões desde janeiro, estava com a maioria deles comprometida na oficina.

A crise só foi resolvida quando a Metropolitana voltou às atividades e a HL passou a fornecer 20 caminhões para a Prefeitura já com a promessa do contrato no futuro.

A HL também se prepara para vender mais 23 caminhões compactadores para a Prefeitura assim que o Paço receber a verba prometida pelo governo estadual por meio de convênio. Ainda não há uma data para a entrega desse recurso.

Fonte: O Popular

Deixe um comentário