Cai desemprego no Centro-Oeste

IBGE aponta que desocupação na região foi de 5,8% no primeiro trimestre de 2014

No primeiro trimestre deste ano, a taxa de desemprego no Brasil ficou em 7,1%, bem acima dos 5,8% registrados no Centro-Oeste, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgados ontem. O resultado mostra queda sobre os anos anteriores 7% e 6,8% em 2012 e 2013, respectivamente. O índice nacional também é menor que o verificado em igual trimestre de 2013, quando a taxa de desemprego foi de 8,0%. No quarto trimestre, porém, a taxa tinha sido de 6,2%.

A população desocupada no total somou sete milhões de pessoas, montante maior que o verificado no trimestre anterior, quando totalizava 6,1 milhões de indivíduos. Os dados mostram ainda que 91,2 milhões de pessoas tinham alguma ocupação no primeiro trimestre, contra os 91,8 milhões verificados no último trimestre de 2013.

Os números fazem parte da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), que substituirá a tradicional Pnad anual e a Pesquisa Mensal de Emprego (PME).

Porém, o superintendente Regional do Trabalho e Emprego em Goiás, Arquivaldo Bites, questiona a metodologia utilizada pelo IBGE na pesquisa. “Eu questiono essa afirmação do IBGE, porque vai contra a realidade, tendo em vista que os levantamentos estavam em torno de 5% anteriormente. E no mais, no País, o número de postos de trabalho aumentou”, argumenta.

“A metodologia não pode ser modificada por conveniências. E, no momento, nós estamos vendo isso. Eu estou contestando porque não tem relação com os números do Ministério do Trabalho, que são concretos. Mesmo em mais de três mil municípios, a metodologia está equivocada”, explica.

Crises

A publicação da Pnad Contínua é a primeira desde que o IBGE voltou atrás na decisão de suspender a divulgação. A suspensão havia sido motivada por questionamentos feitos por parlamentares e tem como objetivo fazer uma revisão na metodologia de coleta e cálculo da renda domiciliar per capita.

O IBGE explica que o cálculo atual prevê margens de erro diferentes para a pesquisa entre os Estados , o que prejudica a comparação dos resultados. Enquanto a PME reúne dados de seis regiões metropolitanas, a Pnad Contínua traz o cenário do emprego em quase 3,5 mil municípios.

Regiões

A região Centro-Oeste ficou atrás apenas da Sul, com 4,3%, de acordo com a pesquisa do IBGE. Já o Nordeste apresentou a maior taxa de desocupação no primeiro trimestre do ano, de 9,3%. No Sudeste, foi de 7% e no Norte, de 7,7%.

Na comparação com o último trimestre de 2013, houve aumento na taxa de desemprego em todas as regiões. No entanto, em relação ao primeiro trimestre do ano passado, a taxa de desocupação recuou em todos os locais, apontou o IBGE.

Fonte: O Hoje

Deixe um comentário